A.A.A. Procura-se um novo Concílio

A.A.A. Procura-se um novo Concílio

Em um momento em que o capitalismo mostra a sua incapacidade de salvar o planeta e os pobres, o pontificado de Francisco propõe importantes desafios para a vida econômica e financeira.

por Luigino Bruni

publicado no site Il Messaggero di Sant'Antonio em 24/06/2021

No dia 25 de janeiro de 1959, o Papa João XXIII, três meses após a sua eleição, convocou o Concílio Ecumênico Vaticano II. Na Itália estávamos em meio a um boom econômico, os movimentos da juventude de 68 estavam distantes, os Beatles ainda não se tinham formado. Aquele Papa idoso conseguiu sonhar com uma Igreja e um mundo que ainda não existia. João XXIII e nele a Igreja (na sua maioria) conseguiu ler os sinais dos tempos antes que eles mudassem. Ele viu, leu e deu voz aos sinais frágeis de seu próprio tempo. E então ele agiu, convocando um Concílio que fez a Igreja mudar antes da sociedade civil, interceptando o sopro do Espírito no momento/kairós oportuno.

A enorme importância épica daquele Conselho também dependia de sua capacidade de antecipar os tempos. A Igreja Católica, que é considerada um ícone da lentidão dos processos de mudança cultural, era então mais rápida do que a sociedade civil. Ela compreendeu de antemão que havia uma demanda de participação, de comunidade, de protagonismo do povo, de superação de certas estruturas hierárquicas inadequadas, de retorno à centralidade das Escrituras, e que as pessoas pediam mais espaço e mais escuta.

Hoje, o Papa Francisco se encontra em uma condição, subjetiva e objetiva, semelhante à de João XXIII. Com a Laudato si' e Fratelli tutti ele voltou a colocar a dimensão econômica e ecológica no centro. E em um momento em que o capitalismo mostra a sua incapacidade de salvar o planeta e os pobres, o pontificado de Francisco propõe importantes desafios para a vida econômica e financeira.      

Se, como seu grande legado, o Papa Francisco também quisesse convocar um Concílio Vaticano III - e creio que seria muito útil e necessário - é muito provável que ele o centralizasse em torno da economia e da ecologia. Os sinais da economia que governou o mundo nestes últimos dois séculos, não é mais adequado aos novos desafios ambientais e sociais que começam a ser muito fortes. O Papa Francisco é a única autoridade ética mundial que está realizando sua própria reflexão profunda e sistemática sobre a crise do capitalismo e o seu destino, e para entender isto basta interpretar o movimento dos jovens economistas e empresários que ele lançou: A economia de Francisco (francescoeconomy.org).   

O desafio agora é fazer com que a sua ação e o seu pensamento se tornem a ação e o pensamento de toda a Igreja. O Conselho Ecumênico é o instrumento para esta passagem da profecia individual de um Pontífice para a profecia eclesial coletiva. Certamente seria um evento diferente daquele de João XXIII (e Paulo VI), porque hoje envolver todos os bispos do mundo (que cresceu em número) requer outros instrumentos. E sobretudo porque, depois do Concílio Vaticano II, um novo Concílio ecumênico não poderia permanecer apenas em uma questão de bispos, mas deveria também envolver seriamente os leigos; não poderia ser apenas uma questão de homens, mas deveria também envolver seriamente as mulheres; nem apenas uma questão de adultos, mas deveria também envolver seriamente os jovens; nem apenas uma questão de católicos, mas deveria envolver as outras Igrejas, religiões e ateus de boa vontade.

A Igreja de Francisco hoje teria os recursos para preparar uma nova mudança épica, a do «capitalismo» após o capitalismo. Porque uma nova cultura e prática econômica precisam não apenas de novas técnicas, de novas leis ou de novas teorias, mas sim de um novo espírito que não é aprendido nas business school ou mesmo nas universidades. O espírito nasce da alma das pessoas e dos povos. Francisco sabe muito bem disso, e a sua Igreja pode dar isso a todos.

Crédito Foto: © Giuliano Dinon / Arquivo MSA


Imprimir   Email

Articoli Correlati